quinta-feira, 23 de setembro de 2010



Written by: Quincy Pearson, Undergraduate Student, College of Health and Human Performance, University of Florida, Gainesville, FL

For the average person, participating in physical activities on a daily basis is a way of life. For the 1.5 million people who live with autism in the United States, participation in such activities is much more complicated due to the conditions of the disability (Centers for Disease Control and Prevention, 2007). For those affected, research teams have discovered that physical activity decreases the stereotypical behaviors associated with autism (Levinson & Reid, 1993). In light of these findings, physical activity is being modified in many ways as well as used to control the behaviors associated with autism. The end result of these activities is the increased in overall physical health of people with autism.

Autism is the most common of the Pervasive Developmental Disorders (PDD) with impairments affecting the development of social interactions, communication skills and restricted, repetitive and stereotyped patterns of behavior (American Psychiatric Association, 2000). Each area of development may be affected to a different degree in the same child for example; one area of development may be mildly impaired, while another area may be severely impaired. According to the Autism Society of America (2007), one in every 150 children is diagnosed with autism. Males are significantly higher in occurrence than females with a ratio of 4:1, and a ratio of 2:1 for severe to profound intellectual disabilities (Fombonne, 2002).

Autism is generally apparent by the age of three. Early detection of the disorder is the key to implementing a successful intervention when striving to improve the development of children with autism. At the present time, diagnosis is based on history, screening instruments, and parental, teacher and pediatrician observations. Comprehensive evaluation by a multidisciplinary team which usually includes: a developmental pediatrician, psychologist, psychiatrist, and physical, occupational, speech, behavioral and developmental therapist; are required to diagnosis autism (National Institute of Mental Health, 2008).

Exercise and physical fitness are important aspects a person should maintain for a healthy lifestyle. For children with autism this is particularly true as individuals have been found to have low levels of physical fitness. Physical activity is instrumental when a person with autism is assisting his or her sensory integration, coordination, muscle tone, and social skills development. Studies have shown that an increase in physical activity decreases the stereotypical behaviors seen in children with autism. Stereotypical behaviors include repetitive mannerisms such as finger flicking, whole body rocking and repetitive behavior with tangibles (e.g., rubbing a string between the finger) (Crollick, Mancil, and Stopka, 2006). Children with autism may also develop challenging behaviors such as screaming, hitting and biting, which are concurrent with deficits in social interaction and stereotypical behaviors (Sigafoos, 2000).

A study conducted by Yilmaz, Yanardag, Birkan, and Bumin (2004) found that balance, speed, agility, power, strength, flexibility and cardiorespiratuar endurance and stereotypical behavior decreased after ten weeks of swim training and hydrotherapy. In a similar study, Levinson and Reid (1993) investigated the effects of exercise intensity on stereotypical behaviors. The results stated that vigorous activity (jogging for 15-minutes vs. walking for 15-minutes) was effective in reducing stereotypical behaviors for up to 90 minutes after the exercise session. Rosenthal-Malek and Mitchell (1997) conducted a study to explore the effects of exercise on self-stimulatory behaviors. This study revealed that after 20-minutes of jogging and stretching, stereotypically behaviors decreased compared to those who did not exercise.

These studies demonstrate the importance of implementing an exercise program for individuals with autism. When developing an exercise program, intensity and duration should gradually increase over time to adapt to the physiological changes which occur from exercise training. It is important to incorporate the four components of fitness; cardiovascular endurance, strength, flexibility, and balance, into the program. An exercise program should also include activities and exercises that both children and parent will enjoy. Parental involvement is a critical part of an exercise program and results in improved outcomes for children with autism. Parents are a great support system and encourage children to learn and try a new skill or activity.

When designing an exercise prescription program for a child with autism, one must take into consideration the five objectives of physical education. The five objectives of physical education are organic, neuromuscular, interpretive, social, and emotional. Also, any modifications which are needed to begin an activity should be made before the exercise starts. One should also take into consideration any sensory, behavioral, social and cognitive disorders that are associated with autism.

The organic objectives include the proper functioning of body systems to develop a foundation for skill development, muscle strength, muscle endurance, cardiovascular endurance, and flexibility (Stopka & Todorovich, 2008). Cardiovascular endurance is important for children with autism, not only for the physical fitness and health benefits, but also to help lower anxiety and depression, as well as serve as a foundation for learning skills. Flexibility is also important for children with autism since they tend to have low muscle tone. Flexibility can increase muscle tone and be helpful in relieving pain in sore muscles.

A harmonious functioning of the nervous and muscular systems to produce desired movements is classified as the neuromuscular objective (Stopka & Todorovich, 2005). This physical education objective includes locomotor and non-locomotor skills, game type skills, motor factors, sports skills and recreational skills. Locomotor skills and motor factors are the most important aspect of the neuromuscular objective (Crollick, et al., 2006). Walking, running, hopping and skipping are locomotor skills which allow a child with autism the ability to move around from place to place. Without motor factors such as, balance, kinesthetic awareness, accuracy, rhythm, power, reaction time and agility, a child with autism will not be able to participate in organized sports. The combination of locomotor skills and motor factors is also beneficial to cardiovascular health and enables another form of cardiovascular exercise to the child (Crollick, et al., 2006). In this area of physical education objectives, if the motor factors are identified and attended to at an early age the locomotion of a child will improve as he or she grows into adulthood.

The interpretive aspect of the physical education objectives is the ability to acquire knowledge of how the body functions, make value judgments and strategies during game situations, and develop an appreciation for personal performance (Stopka & Todorovich, 2005). These tasks are often difficult for children with autism to perform. For this physical education objective, beginning slowly and gradually challenging the child as the child grows older. Once a child is able to complete a task, he or she will have the confidence needed to attempt other challenging tasks in the future.

A main part of the social objective of physical education is communication with others. Children with autism often have a difficult time communicating their feelings, needs, and ideas in a group setting. One way to minimize this obstacle is to place a child with autism in a group or team with other children who do not have autism. Children with autism often learn by visual cues. By placing them in a group with others who are fully capable to express their ideas, may help a child with autism learn how to communicate with others, while developing an attitude that reflects good moral character. Communication can be verbal or nonverbal, and includes physical movement, facial expressions, body language or gestures like sign language. Sign language introduced at an early age gives a child with autism the ability to express their ideas and feelings to parents, teachers, and therapists (Crollick, et al., 2006).

A healthy response to physical activity through fulfillment of basic needs, the ability to be creative and have a outlet of self expression, and the ability to have a positive reaction when participating in activities with either a successful outcome or failure are all aspects of the emotional objective of physical education (Stopka & Todorovich, 2008). Children with autism often lack the ability to show emotions from an activity, with an occasional tantrum (Crollick, et al., 2006). Due to the lack of showing emotions and the lack of ability to be creative, it is important for parents, teachers and therapists to work with the child in this area of physical education. Positive reinforcement of an activity which has been completed in a favorable manner is a great way to teach a child with autism how to express their fulfillment in an activity. Children with autism should also learn how to control violent behaviors. Instead of disciplining a child the instant he or she exhibits violent behavior, one should figure out the cause of the outburst and then take disciplinary action if needed. In many cases the cause of the outburst may be related to a sudden change in the child’s environment or the child feeling incompetent in a certain situation.

In conclusion, exercises which are incorporated into the daily routine of a child with autism should be tailored to the needs and likes of the individual. One individual may need heavier and active routines incorporated into the mornings and more calming, soothing activities in the afternoon, while another may need calming activities throughout the day. Remember that engaging children with autism into physical activities maybe difficult at first, but once the child becomes accustomed to the daily routine, the positive benefits are endless.


American Psychiatric Association. (2000). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. Washington, D.C.: American Psychiatric Association.

Centers for Disease Control and Prevention (2008, April 2). How many children in the United States have an ASD? Retrieved April 4, 2008, from http://www.cdc.gov/ncbddd/autism/index.htm

Crollick, J. L., Mancil, G.R., & Stopka, C. (2006). Physical activity for children with autism spectrum disorder. Teaching Elementary Physical Education. 17(2), 30-34.

Fombonne, E. (2002). Epidemiological trends in rates of autism. Molecular Psychiatry, 7, Suppl 2:S4-6.

Levinson, L.J., & Reid, G. (1993). The effects of exercise intensity on the stereotypic behaviors of individuals with autism. Adapted Physical Education Quarterly. 10, 255-268.

National Institute of Mental Health (2008, April 3). Autism Spectrum Disorders (Pervasive Developmental Disorders). Retrieved April 4, 2008, from


Rosenthal-Malek, A., & Mitchell, S. (1997). Brief report: the effects of exercise on the self- stimulatory behaviors and positive responding of adolescents with autism. Journal of Autism and Developmental Disorders, 27(2), 193-202.

Sigafoos, J. (2000). Communication development and aberrant behavior in children with developmental disabilities. Education and Training in Mental Retardation and Developmental Disabilities. 35(2), 168-176.

Stopka, C., & Todorovich, J. (2008). Applied special physical education and exercise therap,.

5th Edition, Boston, MA: Pearson Custom Publishing.

Yilmaz, I., Yanardag, M., Birkan, B., Bumin, G. (2004). Effects of swimming training on

physical fitness and water orientation in autism. Pediatrics International, 46, 624-626.



Por Gilrlane Costa Ramos

em 20-12-2009, às 01h56.


Written por: Quincy Pearson, Graduanda, Faculdade de Saúde e Performance Humana, Universidade da Flórida, Gainesville, FL

Para a pessoa média, participando de atividades físicas em uma base diária, é um modo de vida.

 Para os 1,5 milhões de pessoas que vivem com autismo nos Estados Unidos, a participação em tais atividades é muito mais complicado, devido às condições da deficiência (Centers for Disease Control and Prevention, 2007).

Para as pessoas afectadas, as equipes de pesquisa descobriram que a atividade física diminui os comportamentos estereotipados associados com o autismo (Levinson & Reid, 1993).

 À luz destes resultados, a atividade física está sendo modificado em muitos aspectos, bem como utilizado para controlar os comportamentos associados ao autismo.

O resultado final dessas atividades é o aumento na saúde física geral das pessoas com autism.Autism é o mais comum dos Transtornos Invasivos do Desenvolvimento (PDD) com deficiências que afectam o desenvolvimento das interações sociais, habilidades de comunicação e restrita, padrões repetitivos e estereotipados de comportamento (American Psychiatric Association, 2000).

Cada área de desenvolvimento podem ser afetados em graus diferentes na mesma criança, por exemplo, uma área de desenvolvimento pode ser ligeiramente danificada, enquanto a outra área pode ser gravemente prejudicado. Segundo a Sociedade de Autismo da América (2007), uma em cada 150 crianças são diagnosticadas com autismo.

Os machos são significativamente mais elevados na ocorrência de fêmeas com uma proporção de 4:1, e uma proporção de 2:1 para severa a profunda deficiência intelectual (Fombonne, 2002).

Autismo é geralmente resulta em menos de três anos.

A detecção precoce da doença é a chave para a implementação de uma intervenção bem sucedida quando se esforçando para melhorar o desenvolvimento das crianças com autismo.

 Na atualidade, o diagnóstico é baseado na história, instrumentos de rastreamento, e dos pais, professores e observações pediatra. Abrangente de avaliação por uma equipe multidisciplinar que inclui geralmente: um pediatra do desenvolvimento, psicólogo, psiquiatra, e físicas, ocupacionais, da fala, terapeuta comportamental e de desenvolvimento, são necessários para diagnóstico de autismo (National Institute of Mental Health, 2008).

Exercício e aptidão física são aspectos importantes de uma pessoa deve manter um estilo de vida saudável. Para as crianças com autismo, isto é particularmente verdadeiro como indivíduos foram encontrados para ter níveis baixos de aptidão física.

A atividade física é fundamental quando uma pessoa com autismo está a ajudar a sua integração sensorial, a coordenação, o tônus muscular, social e desenvolvimento de competências. Estudos têm demonstrado que um aumento na atividade física diminui os comportamentos estereotipados em crianças com autismo. Stereotypical incluir maneirismos comportamentos repetitivos, como estalar os dedos, balançar todo o corpo e no comportamento repetitivo com tangíveis (por exemplo, esfregando uma corda entre os dedos) (Crollick, Mancil e Stopka, 2006).

As crianças com autismo também podem desenvolver comportamentos desafiadores, tais como gritar, bater e morder, que são concorrentes com déficits na interação social e comportamentos estereotipados (Sigafoos, 2000).

Um estudo conduzido por Yilmaz, Yanardag, Birkan e Bumin (2004) constataram que equilíbrio, velocidade, agilidade, potência, força, flexibilidade e resistência cardiorespiratuar e comportamentos estereotipados diminuiu após dez semanas de treinamento de natação e hidroterapia.

 Em um estudo semelhante, Levinson e Reid (1993) investigaram os efeitos da intensidade do exercício sobre comportamentos estereotipados.

O resultado indicou que a atividade vigorosa jogging (de 15-minutos a pé para vs 15-minutos) foi eficaz na redução dos comportamentos estereotipados por até 90 minutos após a sessão de exercício. Rosenthal-Malek e Mitchell (1997) conduziram um estudo para investigar os efeitos do exercício sobre a auto-estimulatórios.

Este estudo revelou que, após 20 minutos de corrida e alongamento, comportamentos estereotipados em comparação com os demônios que não exercise.

Por Gilrlane Costa Ramos

em 20-12-2009, às 01h59.

Esses estudos demonstram a importância de implementar um programa de exercícios para indivíduos com autismo.

Ao desenvolver um programa de exercícios, intensidade e duração deve aumentar gradualmente ao longo do tempo para se adaptar às mudanças fisiológicas que ocorrem desde a formação do exercício.

É importante integrar os quatro componentes da aptidão, a resistência cardiovascular, força, flexibilidade e equilíbrio, para o programa.

 Um programa de exercícios deve incluir também atividades e exercícios que as crianças e os pais apreciarão.

 Participação dos pais é uma parte crítica de um programa de exercício e resulta em melhores resultados para as crianças com autismo.

Os pais são um grande sistema de apoio e incentivar as crianças a aprender e tentar uma nova habilidade ou atividade.

Ao projetar um programa de prescrição de exercícios para uma criança com autismo, deve-se levar em consideração os cinco objectivos da educação física.

Os cinco objectivos de educação física são orgânicos, neuromuscular, interpretativa, social e emocional.

Além disso, todas as modificações que são necessárias para começar uma atividade deve ser feita antes do exercício iniciado.

É preciso também tomar em consideração qualquer sensoriais, comportamentais, sociais e cognitivas transtornos que estão associados com o autismo.

Os objectivos orgânicos incluem o bom funcionamento dos sistemas do corpo para desenvolver uma base para o desenvolvimento de habilidade, força muscular, resistência muscular, resistência cardiovascular e de flexibilidade (Stopka & Todorovich, 2008).

Resistência cardiovascular é importante para as crianças com autismo, não só para a aptidão física e benefícios para a saúde, mas também para ajudar a diminuir a ansiedade ea depressão, bem como servir de base para a aprendizagem de competências.

A flexibilidade é também importante para as crianças com autismo, uma vez que tendem a ter baixa do tônus muscular. Flexibilidade pode aumentar o tônus muscular e ser útil no alívio da dor nos músculos doloridos.

O funcionamento harmonioso do sistema nervoso e muscular para produzir os movimentos desejados é classificado como o objectivo neuromuscular (Stopka & Todorovich, 2005).

 Este objectivo de educação física inclui locomotor e não-habilidades motoras, habilidades tipo de jogo, os fatores de motor, as habilidades e competências esportes recreativos.

 Habilidades locomotoras e fatores de motor são o aspecto mais importante do objectivo neuromuscular (Crollick, et al., 2006).

Andar, correr, pular e saltar são habilidades de locomoção que permitir que uma criança com autismo, a capacidade de se movimentar de lugar para lugar.

Sem fatores de automóveis, tais como, equilíbrio, consciência cinestésica, precisão, ritmo, energia, tempo de reação e agilidade, uma criança com autismo não será capaz de participar de esportes organizados.

A combinação de habilidades motoras e os fatores de motor também é benéfico para a saúde cardiovascular e permite uma outra forma de exercício cardiovascular para a criança (Crollick, et al., 2006).

Nesta área de objectivos de educação física, se o motor, são fatores identificados e atendidos em uma idade precoce a locomoção de um filho vai melhorar à medida que ele ou ela cresce na idade adulta.

O aspecto interpretativo dos objetivos da educação física é a capacidade de adquirir conhecimento de como funciona o corpo, fazer juízos de valor e estratégias em situações de jogo, e desenvolver um apreço por desempenho individual (Stopka & Todorovich, 2005).

 Essas tarefas são muitas vezes difícil para as crianças com autismo para executar.

Para que este objectivo da educação física, começando lenta e gradualmente, desafiando a criança como a criança cresce.

Depois que uma criança é capaz de completar uma tarefa, ele ou ela terá a confiança necessária para tentar outras tarefas desafiadoras no futuro.

A parte principal da finalidade social da educação física é a comunicação com os outros.

Crianças com autismo freqüentemente possuem dificuldade em comunicar seus sentimentos, necessidades e idéias em um ambiente de grupo.

Uma forma de minimizar esse obstáculo é colocar uma criança com autismo em um grupo ou equipe com outras crianças que não têm autismo.

Crianças com autismo aprendem frequentemente por estímulos visuais.

Ao colocá-los em um grupo com outros que são totalmente capazes de expressar suas idéias, pode ajudar uma criança com autismo aprendem a comunicar com os outros, desenvolvendo uma atitude que reflete bom caráter moral.

A comunicação pode ser verbal ou não, e inclui o movimento físico, expressões faciais, linguagem corporal ou gestos como linguagem de sinais.

A língua de sinais introduzidos em uma idade precoce apresenta uma criança com autismo a capacidade de expressar suas idéias e sentimentos aos pais, professores e terapeutas (Crollick, et al., 2006).

Por Gilrlane Costa Ramos

em 20-12-2009, às 02h04.

A resposta saudável à actividade física através da satisfação das necessidades básicas, a capacidade de ser criativo e ter uma saída de auto-expressão, ea capacidade de ter uma reação positiva ao participar de atividades com um ou outro resultado um sucesso ou fracasso são todos os aspectos do emocional objetivo de educação física (Stopka & Todorovich, 2008). Crianças com autismo freqüentemente falta a capacidade de mostrar as emoções de uma actividade, com uma birra ocasional (Crollick, et al., 2006). Devido à falta de demonstrar emoções e da falta de capacidade de ser criativo, é importante que os pais, professores e terapeutas para trabalhar com a criança nesta área de educação física. O reforço positivo de uma atividade que foi concluída de forma favorável é uma ótima maneira de ensinar uma criança com autismo forma de expressar a sua realização em uma atividade. As crianças com autismo também deve aprender a controlar comportamentos violentos. Em vez de disciplinar uma criança no instante em que ele ou ela exibe um comportamento violento, um deve descobrir a causa da explosão e, em seguida, tomar medidas disciplinares, se necessário. Em muitos casos, a causa da explosão pode estar relacionado a uma mudança brusca no ambiente da criança ou o sentimento da criança incompetente em uma determinada situação.

Em conclusão, os exercícios que estão incorporadas na rotina diária de uma criança com autismo deve ser adaptada às necessidades e gostos do indivíduo.

Um indivíduo pode ter pesado e ativos rotinas incorporadas as manhãs e mais calmante, calmante atividades na parte da tarde, enquanto outro pode precisar de calmantes atividades durante todo o dia.

Lembre-se que envolver as crianças com autismo em atividades físicas talvez difícil no início, mas logo que a criança se acostuma com a rotina diária, as vantagens são infinitas.


American Psychiatric Association. (2000). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. Washington, DC: American Psychiatric Association.

Centers for Disease Control and Prevention (2008, 2 de abril). Quantas crianças nos Estados Unidos têm um ASD? Obtido 4 de abril de 2008, a partir http://www.cdc.gov/ncbddd/autism/index.htm

Crollick, JL, Mancil, GR, & Stopka, C. (2006). A atividade física para crianças com transtorno do espectro do autismo. Ensino Fundamental de Educação Física. 17 (2), 30-34.

Fombonne, E. (2002). Tendências epidemiológicas nas taxas de autismo. Molecular Psychiatry, 7, Suppl 2: S4-6.

Levinson, L.J., & Reid, G. (1993). Os efeitos da intensidade do exercício sobre os comportamentos estereotipados dos indivíduos com autismo. Adapted Physical Education Quarterly. 10, 255-268.

National Institute of Mental Health (2008, 3 de abril). Transtornos do Espectro do Autismo (transtorno invasivos do desenvolvimento). Obtido 4 de abril de 2008, a partir de


Rosenthal-Malek, A., & Mitchell, S. (1997). Breve relatório: os efeitos do exercício sobre a auto-estimulatórios e resposta positiva dos adolescentes com autismo. Journal of Autism and Developmental Disorders, 27 (2), 193-202.

Sigafoos, J. (2000). Comunicação e desenvolvimento de comportamentos aberrantes em crianças com deficiências de desenvolvimento. Educação e Formação de Retardo Mental e deficiências de desenvolvimento. 35 (2), 168-176.

Stopka, C., & Todorovich, J. (2008). Aplicada a educação especial física e Therap exercício.

5 ª edição, Boston, MA: Pearson Custom Publishing.

Yilmaz, I., Yanardag, M., Birkan, B., Bumin, G. (2004). Efeitos do treinamento de natação

aptidão física e orientação de água no autismo. Pediatrics International, 46, 624-626.