quinta-feira, 31 de maio de 2012

ATIVIDADE ESPORTIVAS PARA DEFICIENTES E NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS



Simulando as deficiências





É interessante atividades de simulação para crianças consideradas normais ( HOJE PESSOAS SEM DEFICIÊNCIA) vivenciar uma deficiência. Essas experiências permitem que eles percebam melhor as dificuldades das pessoas com deficiência e como elas podem se sentir eventualmente. (Ministério da Educação e do Desporto/ MEC, 2007).



É fundamental que os participantes sejam incentivados a dizer como se sentiram durante as atividades, principalmente naquelas em que são simuladas vivências de deficiências, pois sabemos que estas podem se constituir em experiências muito enriquecedoras e marcantes para a pessoa. Compartilhar esses sentimentos com os demais é sempre muito frutífero para todos. (Ministério da Educação e do Desporto/ MEC, 2007).



Estas atividades darão oportunidade para ao aluno conhecer suas possibilidades e seus limites, favorecendo a confraternização entre eles. (Ministério da Educação e do Desporto/ MEC, 2007).



Segue abaixo propostas de atividades inclusivas e simulações de algumas deficiências. Muitas destas atividades são aplicadas para crianças consideradas normais, que foram adaptadas para incluir o aluno com necessidades educativas especiais nas aulas de Educação Física.





Deficiência Física



Sentindo na pele



Número de participantes: livre

Material: Dois pares de meias grossas e uma camisa com botões (é importante que os alunos tragam de casa a camisa e as meias).

Descrição da atividade: A turma deverá ser dividida em pares. Um de cada par vestirá as meias nas mãos. Após o comando do professor o aluno deverá vestir à camisa, abotoá-la, desabotoá-la e sentar em frente ao seu par. Pessa a eles para trocarem o material e repetir a experiência. É importante que o professor explique aos alunos que eles irão vivenciar como é ter paralisia cerebral, na tentativa de abotoar uma camisa. (Ministério da Educação e do Desporto/ MEC, 2007).





Passa 10



Número de participantes: livre

Material: coletes coloridos, 1 bola.

Descrição do Jogo: Todos os alunos deverão estar sentados na quadra, independente de ter ou não comprometimento motor. A turma deverá se dividir em dois grupos, onde cada grupo deverá usar coletes de cores diferentes para se distinguir melhor. A delimitação do espaço será de acordo com o número de participantes. O grupo que tiver com a posse de bola deverá tentar realizar 10 passes jogando com as mãos, conseguindo, marcará ponto. Caso a bola caia no chão, ou seja, interceptada pelo grupo adversário, a contagem será zerada. Vence o grupo que fizer mais pontos. O tempo do jogo será determinado pelo professor.

Adaptação: Se houver um cadeirante, o grupo adversário deverá ter um participante de sua equipe sentado em uma cadeira. Caso tenha mais de um cadeirante, o número de participantes em cadeiras deverá ser aumentado. No decorrer do jogo, todos os alunos deverão ficar pelo menos uma vez sentados na cadeira.

Variação: O professor poderá aumentar ou diminuir o espaço do jogo e o número de passes para realizar um ponto. (DIEHL, 2006)





Passa Repassa



Número de participantes: livre

Material: 1 bola de vôlei.

Descrição do Jogo: Os alunos estarão dispersos sentados pela quadra de voleibol, similar, dois deles sentados nas pontas. Os alunos das pontas iniciarão a troca de passes de bola, enquanto os alunos do centro da quadra tentarão pegá-la sem tirar o quadril do chão. O aluno que conseguir pegar a bola troca de lugar com aquele que a jogou. (DIEHL, 2006)





Pega ajuda com passes



Número de participantes: livre

Material: 1 bola

Descrição do jogo: Um dos alunos será designado a ser o pegador, os demais serão os fugitivos, todos deverão estar sentados de forma dispersa pela quadra. Tanto os pegadores quanto os fugitivos não poderão se levantar, deverá se locomover sentados. O pegador terá uma bola na mão, onde tentará arremessar nos colegas. Aquele que for atingido pela bola passará a ser pegador, aumentando o número de caçadores. (DIEHL, 2006).





Toca-Retoca



Número de participantes: mínimo 10

Material: 1 bola, 1 rede medindo 1m de altura.

Descrição do jogo: Serão formados dois times, com 5 alunos em cada time sentados livremente em cada lado da quadra de vôlei, que estará dividida pela rede. Ao sinal do professor, o aluno de fora da quadra, fará o lançamento da bola para quadra adversária utilizando as duas mãos. Após o lançamento, o arremessador retorna para dentro da quadra. Um componente da equipe adversária deverá pega-la, passando em seguida para um de seus colegas do time. Todos os participantes do time deverão pegar a bola, que será devolvida a equipe adversária pelo quinto participante, sem deixar que a bola caia ou segura-la por mais de 5 segundos. Realizada a ação completa, a equipe marca um ponto. Caso a bola caia no chão, ou seja, passada para o campo adversário sem que todos os componentes tenham segurado a bola, será saque da equipe adversária. Vence a equipe que marcar 20 pontos primeiro.

Adaptação: Se caso a turma tenha mais de 10 componentes, ela poderá ser dividida em dois grupos. Cinco ficarão em posições numeradas pré-definidas dentro da quadra e o restante se posicionará em coluna fora da quadra. Haverá sempre um rodízio antes da realização do saque. O jogador que tiver na posição 5 deverá sair, o primeiro da coluna que estava fora da quadra deverá entrar na posição 1, sendo que o que estava na 1 deverá ir para a posição 2 e o da 2 ir para a 3 e assim sucessivamente. Quando houver um cadeirante em alguma equipe, o professor poderá colocar uma cadeira em alguma das posições da equipe adversária. (DIEHL, 2006)





Pegue o balão



Número de participantes: Livre

Material: balões e barbantes.

Descrição do jogo: Os alunos estarão livres pela quadra, sentados no chão ou na cadeira de rodas. Os alunos sentados amarrarão os balões na cintura, os cadeirantes estarão com os balões amarrados atrás da cadeira. Cada participante deverá tentar estourar o balão do colega e proteger o seu. Vence aquele que ficar com o balão intacto enquanto os outros estiverem com os seus estourados. (DIEHL, 2006)





Chegar à meta



Número de participantes: livre

Material: 1 balão e barbante

Descrição do jogo: A turma deverá ser dividida em dois times contendo o mesmo número de participantes. A quadra será dividida em dois lados, em cada lado ficará um time. O objetivo de cada time é atravessar a quadra do adversário e tocar o balão que estará pendurado no gol. Se a pessoa que esta indo em direção ao balão for tocada dentro do campo adversário, ela terá que ficar parada até que alguém do seu time venha e o toque para que possa continuar. (DIEHL, 2006)





Surdos



Cinema mudo



Número de participantes: livre

Material: filmes

Descrição do jogo: O professor pode propor aos alunos a assistirem trechos de filmes sem som, tentando entender a história e o que as pessoas estão falando. (Ministério da Educação e do Desporto/ MEC, 2007).





O corpo fala



Número de participantes: livre

Material: papéis

Descrição do jogo: Dividir a sala em grupos, cada grupo receberá um papel com uma mensagem escrita. Cada grupo deverá transmitir sua mensagem exclusivamente por gestos para outros grupos. (Ministério da Educação e do Desporto/ MEC, 2007).





Caranguejobol



Número de participantes: livre

Material: 1 bola, coletes, 1 bandeira sinalizadora (vermelha).

Descrição do jogo: A turma será dividida em duas equipes com o mesmo número de participantes. Cada equipe se posicionará em metade da quadra, tendo como objetivo defender seu gol e tentar fazer gol na equipe adversária. Todos os participantes só poderão se locomover sentados ou suspendendo o quadril, se locomovendo apenas com o apoio das mãos e dos pés, na posição de 4 apoios, parecendo um caranguejo. A impulsão da bola só poderá ser feita com os pés. Após o gol, o jogo é reiniciado por um dos participantes da equipe que levou o gol. Quando houver transgressão das regras, a equipe infratora será penalizada com uma falta que poderá ser cobrada diretamente ao gol. Vence a equipe que fizer mais gols. (DIEHL, 2006)





Pegue o rabo



Número de participantes: Livre

Material sugestivo: jornal (ou material da escolha do professor).

Descrição do jogo: A turma será dividida em duas equipes, tendo o mesmo número de participantes. Cada participante receberá um jornal, que deverá ser preso na roupa próximo da cintura, que simbolizará o "rabo". O objetivo de cada equipe é roubar o "rabo" dos participantes da equipe adversária. Vence a equipe que conseguir roubar todos os rabos da equipe adversária primeiro. (DIEHL, 2006)





Futsal de 4 goleiras



Número de participantes: livre.

Material: 8 cones, 8 coletes, 2 bandeiras de cores diferentes.

Descrição do jogo: Os alunos serão divididos em duas equipes, com o mesmo número de participantes. A atividade será realizada em uma quadra de futsal, onde não serão utilizadas as traves do gol, e sim 8 cones, que serão montadas 4 goleiras nos cantos da quadra. As equipes deverão marcar gol em duas goleiras designadas para elas. Vence a equipe que fizer o maior número de gols. Poderão ser usadas as mesmas regras do futsal. O professor deverá usar duas bandeiras: uma verde e outra vermelha. Quando ocorrer falta o professor levantará a bandeira vermelha, a verde para sinalizar o início e o termino do jogo.

Adaptação: Este jogo pode ser jogado com ou sem goleiro. (DIEHL, 2006)





O chapéu é meu



Número de participantes: Livre

Material: Chapéus feitos de jornal e uma bandeira colorida.

Descrição do jogo: Duas fileiras com o mesmo número de participantes, frente a frente. Os alunos confeccionarão os chapéus de jornal para utilizarem no jogo. No chão entre eles, coloca-se uma série de chapéus, sendo um para cada dois participantes. Dado o sinal (com a bandeira), os participantes correm para os chapéus, pondo na cabeça o que conseguir pegar. Cada jogador poderá pegar apenas um chapéu, não podendo também pegar depois que já está com o colega. O lado que tiver o maior número de chapéus marca ponto. Esta atividade poderá se repetir quantas vezes o professor desejar. Vence o jogo o lado que tiver feito mais pontos. (DIEHL, 2006)





Sol e Lua



Numero de participantes: livre

Descrição do jogo: Duas fileiras com o mesmo número de participantes, uma denominada "sol" e a outra "lua". Os participantes da equipe sol deverão estar de costas para os participantes da equipe lua, ambos as equipes deverão estar próximas da linha do meio da quadra. Quando o professor sinalizar "sol" a equipe correspondente foge da equipe "lua", e vice-versa, devendo correr e cruzar uma linha demarcada para salvar-se. Aqueles que forem pegos passam a ser da equipe adversária. Vence a equipe que tiver mais componentes ao termino da atividade. (DIEHL, 2006)





Olha o Chapéu



Número de participantes: No mínimo 10.

Material: 1 chapéu (Pode ser de jornal)

Descrição do jogo: Todos os alunos deverão estar sentados formando um círculo. O professor escolhe um aluno que terá a posse do chapéu, que ficará andando ao redor do círculo, o aluno colocará o chapéu na cabeça de qualquer participante que deverá correr para pegá-lo. O aluno que estava com o chapéu fugirá o mais rápido possível para tentar sentar no lugar do colega que ele colocou o chapéu na cabeça. Caso o aluno seja pego antes de se sentar permanecerá com o chapéu, tentando colocar na cabeça de outro colega.

Adaptação: Se o número de aluno for grande, a turma poderá ser dividida em mais grupos. (DIEHL, 2006)





Jogo dos Cartões



Números de participantes: livre.

Material: Cartões coloridos e bola.

Descrição do jogo: Os alunos ficarão em circulo passando a bola atendo aos cartões que serão mostrados pelo professor. Estes cartões terão códigos previamente combinados: Amarelo significa o arremesso da bola para qualquer colega; Vermelho significa que se deve quicar a bola e passá-la; o Azul significa arremesso da bola para um menino; o cartão rosa indica posse de bola para uma menina.

Adaptação: Pode-se também utilizar outros cartões com outros códigos. Por exemplo, verde para mudar o sentido da bola. (DIEHL, 2006)





Zoológico



Número de participantes: livre.

Material: Papel.

Descrição do jogo: Todos os alunos receberão um papel com o nome de um animal, sendo que cada um tem seu par. Cada aluno terá que imitar seu animal através de gestos tentando localizar seu par. A atividade termina quando todos encontrarem seu par. (DIEHL, 2006)

No caso do aluno que usa prótese auditiva, o professor deverá observar se a prótese está bem adaptada, se está suja ou entupida, evitando ruídos. Deve-se também verificar as condições das pilhas.





Cegos ou com baixa visão



Posso ajudar?



Material: Vendas pretas para todo o grupo

Descrição do jogo: A turma deverá ser dividida em pares. Cada par receberá uma venda, um da dupla usará a venda simulando o deficiente visual e o outro será o acompanhante. É importante que o professor explique que o papel do acompanhante é estar ao lado do deficiente visual para oferecer sua ajuda e dá-Ia quando for aceita. Explique que é importante perguntar se ele precisa de ajuda e de que forma essa ajuda pode ser dada. Os pares serão orientados para realizarem diversas atividades, tais como: beber água, andar pela quadra, pelo pátio, explorar a classe, andar entre as carteiras, etc.

Variação: Uma vez realizado todo o percurso, a dupla deverá trocar as funções, o aluno que estava simulando o deficiente visual deverá passar a ser o acompanhante e assim vice-versa. (Ministério da Educação e do Desporto/ MEC, 2007).





Adivinhe pelo tato



Número de participantes: Livre

Material: vendas, objetos como: lápis, frutas, livro, brinquedos, etc.

Descrição do jogo: Os alunos deverão ser divididos em dois ou três grupos. Cada participante terá a oportunidade de sentir, com os olhos vendados, os objetos que serão dados pelo professor. O grupo que mais objetos acertar será o grupo vencedor. (DIEHL, 2006).





Ouça e pegue o rabinho



Número de participantes: livre.

Material: barbante, latas de refrigerante com pedrinhas dentro.

Descrição do jogo: Todos os alunos deverão estar vendados. Cada aluno terá uma lata de refrigerante com um barbante que deverá ser amarrado na cintura, sendo arrastado pelo chão. Cada um tentará roubar o "rabinho" do outro. Aquele que mais "rabinhos" pegar será o vencedor.

Adaptação: Esta atividade poderá ser feita em duplas de mãos dadas, onde um estará vendado e outro não. Aquele que não enxerga pega o "rabinho", seguindo as instruções do vidente. O "rabinho" estará preso ao aluno cego, com baixa visão ou vendado. Vencerá a dupla que tiver mais rabinhos. (DIEHL, 2006)





Alerta



Número de participantes: livre.

Material: 1 bola com guizo (caso não tenha bola com guizo, a bola poderá ser colocada dentro de sacolas plásticas)

Descrição do jogo: Todos os alunos deverão estar vendados, em círculo e um voluntário no centro. Cada um escolherá um animal para imitar seu som. O jogo terá início quando o aluno que estiver no centro falar já e jogar a bola para cima e falar o nome de um dos animais. Ao mesmo tempo os alunos deverão correr em direção oposta da bola, menos o aluno que esta representando o animal que foi chamado, devendo correr em direção da bola. Ao pegar a bola o aluno gritará "Alerta!". Os demais alunos deverão parar e permanecer no lugar como estátuas. Todos começam a imitar seus respectivos animais, e o aluno que estiver com a bola poderá dar 3 passos para tentar se aproximar o máximo possível do aluno que ele acha estar mais perto, dizendo o nome do animal escolhido. Os outros alunos deverão permanecer em silêncio, e o que foi chamado continuará a imitação. O aluno que estiver com a posse de bola terá que rolá-la, tentando acertá-lo. Se o aluno acertar a bola o colega que estava imitando iniciará o jogo, mais se caso ele não acertar, ele mesmo reiniciará o jogo. (DIEHL, 2006)





Passa a bola



Número de participantes: livre

Material: bolas com guizo (caso não tenha bola com guizo, a bola poderá ser colocada dentro de sacolas plásticas)

Descrição do jogo: Duas ou mais colunas com mesmo número de participantes. O primeiro integrante de cada coluna deverá estar com a bola que deverá ser passada entre as pernas ao colega de trás até chegar o ultimo da coluna; este irá devolver por cima da cabeça até chegar ao primeiro da coluna. Na mesma ordem, logo em seguida passar a bola pelo lado direito, retornando pelo lado esquerdo. Vence a coluna que terminar a seqüência primeiro gritando o nome de sua equipe. Os alunos videntes auxiliarão os alunos cegos e com baixa visão a pegar a bola, através de comunicação verbal. (DIEHL, 2006)





Coelhinho sai da toca



Número de participantes: livre

Material: arcos

Descrição do jogo: Os alunos serão divididos em duplas dispersos pela quadra. Um dos alunos ficará segurando o arco na altura da cintura, que fará o papel de "toca", o outro fará o papel de "coelhinho" que entra e sai da "toca". Cada dupla identificará um som para se identificarem. Ao comando dado pelo professor "Coelhinho sai da toca!", o aluno que estava dentro do arco sairá e realizará uma caminhada pela quadra (ou pelo espaço que esta sendo realizada a atividade). Ao segundo comando do professor "Coelhinho volta para toca!", o coelho deverá encontra - lá através do som combinado. Somará mais pontos a dupla que conseguir voltar para a "toca" em menor tempo.

Para realizar esta atividade é importante que todos os alunos estejam vendados.

Variável: esta atividade poderá ser repetida, mas invertendo-se os papéis, o que representava o "coelhinho" passa a ser o que representa a "toca", e assim vice-versa, para que todos vivenciem os dois papéis.

Adaptação: Caso sobre um aluno sem par, ele fará o "coelhinho" sem "toca", e comandará o jogo. Ao primeiro comando "Coelhinho sai da toca", todos os coelhos deverão sair da "toca" e caminhar pela quadra, inclusive os alunos que estão representado a "toca". Ao segundo comando "Coelhinho volta para a toca", as "tocas" deverão permanecer paradas emitindo o som "tocas" "tocas" e os "coelhinhos" tentar encontrar uma "toca", inclusive o que estava sem toca. (DIEHL, 2006)





Caçada à bola



Número de participantes: livre

Material: bola com guizo (caso não tenha bola com guizo, a bola poderá ser colocada dentro de sacolas plásticas).

Descrição do jogo: Duas fileiras com o mesmo número de participantes, dispostas nas laterais da quadra, viradas para o centro. Cada aluno receberá um número que será o mesmo para as duas fileiras, no sentido diagonal. Quando o professor falar um número, os representantes do número deverão ir em direção da bola que estará sendo movimentado pelo professor no centro da quadra. O aluno que pegar a bola deverá dizer o nome de sua equipe, que marcará um ponto. Vence a equipe que marcar mais pontos.

Adaptação: Esta atividade poderá ser realizada de duas formas: se em uma das equipes tiver um aluno cego ou com baixa visão, na outra equipe poderá ter um aluno vendado, ou todos os alunos deverão usar vendas.

Variação: O professor poderá propor uma operação aritmética, e os alunos que representarem o resultado de tal operação deverão pegar a bola. Exemplo: 2+2=4, os alunos representantes do número 4 deverão tentar a pegar a bola. (DIEHL, 2006)





Fala que eu faço



Número de participantes: livre

Material: vendas e bola com guizo

Descrição do jogo: Os alunos formarão duplas, sendo que um da dupla estará com venda (um deles será o vidente). O professor fará uma espécie de ninho do tesouro em alguns cantos da quadra, utilizando bolas com guizo. O colega vidente da dupla se separa e fica em um lugar próximo dos ninhos para auxiliar o outro colega a chegar ao ninho. As dicas poderão ser de forma simbólica. Exemplo: "10 passos de elefante para frente", "20 passos de formiga para o lado direito", etc. (DIEHL, 2006).





Relógio de corda



Número de participantes: livre

Material: vendas, corda, argolas.

Descrição do jogo: Serão formadas duplas com um da dupla cego ou com vendas e um vidente. Dois alunos estarão trilhando uma corda que terá no centro argolas segura por nós em ambos os lados, cuja função é dar direção ao aluno cego ou com vendas. Cada dupla terá de pular a corda seguindo as horas até completar 12 saltos. Ou seja, vai se cantando "1 hooora!", que significa um salto; "2hooraaas!", para dar dois saltos e assim sucessivamente, até completar as 12horas. A dupla estará fora da corda, devendo entrar quando começarem a serem contadas as horas. Caso a dupla erre, deverá repetir a hora onde errou. Vence a dupla que fechar as 12horas no menor tempo. (DIEHL, 2006)

No caso do deficiente visual, para que se previnam acidentes, lesões e quedas, o professor deverá assegurar-se de que o aluno esteja familiarizado com o espaço físico, com inclinações do terreno e diferenças de piso. É importante que toda a instrução seja verbalizada de forma bem clara para que o aluno com deficiência visual entenda as atividades propostas.





Deficiência Mental



Passa João



Número de participantes: livre

Descrição do Jogo: com os alunos sentados em círculo, o professor inicia pegando uma bola e cantando a canção "Passa João": "O João vai passar, ele ainda não chegou, ele ainda não chegou, ele acaba de chegaaar!". Enquanto isso, os participantes passam a bola de mão em mão para os colegas, até que todos os componentes do círculo a tenham tocado. Ao parar a música, a bola pára de ser passada e aquele que estiver coma bola deverá imitar um bicho.

Variação: Em vez de cantar "Passa João", trocar pelo nome dos alunos consecutivamente, até citar o nome de todos. Exemplo: "A Maria vai passar, ela ainda não chegou, ela ainda não chegou, ela acaba de chegaaar!". Neste tipo de brincadeira, estimular a criança a participar do jogo, cantando. (DIEHL, 2006)





Leão faminto



Número de participantes: mínimo 5.

Descrição do jogo: Os alunos deverão estar em fileira no fundo da quadra de vôlei e um aluno na linha central. A quadra simbolizará a "Floresta", o aluno que ficará na linha central simbolizará o "Leão faminto". Os alunos que estarão na linha de fundo da quadra tentarão atravessar a "Floresta" imitando um determinado animal sem ser pego pelo "Leão faminto", que não poderá sair da linha central. Os "animais que não conseguir fugir do "Leão faminto" ocuparão seu lugar ou o auxiliará a pegar os demais "animais". (DIEHL, 2006).





Jogo dos balões



Número de participantes: livre

Material: balões

Descrição do jogo: Cada aluno segurará um balão. Todos deverão estar em pé e agrupados. Ao sinal do professor, todos deverão jogar os balões para cima, procurando os manter no ar através de pequenos toques, sem deixar cair no chão não importando de quem será o balão. O balão que cair no chão deverá permanecer no chão. O professor determinará o tempo de duração do jogo, após o tempo, os alunos contarão quantos balões conseguirão salvar. A cada jogo o professor incentivará aos alunos a salvar mais balões. (DIEHL, 2006)





Dança do chapéu



Número de participantes: livre

Material: som, chapéu (ou algo para simbolizar um chapéu).

Descrição do jogo: Em dupla, os alunos dançarão livremente. Um aluno estará sozinho segurando o chapéu. Em determinado momento, o professor desligará a música, e o aluno que estiver segurando o chapéu, colocará o chapéu na cabeça de outro aluno, que ocupará seu lugar, sendo o próximo bailarino do chapéu. (DIEHL, 2006)





Pega-pega corrente



Número de participantes: livre

Descrição do jogo: Os alunos estarão dispersos pela quadra, um deles será escolhido para ser o pegador. Os alunos que forem pegos, deverá se unir ao pegador dando as mãos formando uma corrente. O jogo termina quando todos os alunos forem pegos, formando uma grande corrente.



De acordo com Cidade e Freitas (2002) a Educação Física quando adequado corretamente ao aluno com deficiência, possibilita-lhe a compreensão de suas limitações e capacidades, auxiliando-o na busca de um melhor desempenho.



É importante que o professor tenha os conhecimentos básicos relativos ao seu aluno tais como: o tipo da deficiência do aluno, a idade em que apareceu a deficiência, se foi repentina ou gradativa, se é transitória ou permanente, as funções e estruturas que estão prejudicadas. (CIDADE e FREITAS, 2002).



Para Pedrinelli (1994 apud CIDADE e FREITAS, 2002), a Educação Física deve conter desafios direcionados a todos os alunos, permitir a participação de todos, respeitarem as limitações e promover a autonomia. O educador deverá selecionar a atividade visando o comprometimento motor, a idade cronológica e o desenvolvimento intelectual do aluno.



"A aplicação dos exercícios desportivos, sob o incentivo da "ludicidade", mostra que a competição é desejável à medida que os competidores encarem seus opositores como companheiros de jogo". (BRACHT, V. 1988 apud Lemos, 2004).



Segundo Bueno e Resa (1995 apud Freitas, 2004), a Educação Física Adaptada para alunos com deficiência não se diferencia da Educação Física em seus conteúdos, mas compreende técnicas, métodos e formas de organização que podem ser aplicados ao aluno com deficiência. É um processo de atuação docente com planejamento, visando atender às necessidades de seus educandos.



Autism Light: Special Learning

Autism Light: Special Learning:

Autism Light: Eustacia Cutler

Autism Light: Eustacia Cutler: Autism Light #195 is Eustacia Cutler.  On this Mother’s Day we want to pay special tribute to one mother in particular:  Eustacia ...

Invenção turca: "Cadeira de rodas nunca mais"BLOG DO PROFESSOR SERGIO CASTRO

BLOG DO PROFESSOR SERGIO CASTRO
Invenção turca: "Cadeira de rodas nunca mais"
Uma sensacional invenção criada por cientistas turcos, que irá fazer revolução na vida das pessoas com deficiência física. Com o slogan “No More Wheelchairs” (Cadeira de rodas nunca mais) o equipamento permite que cadeirantes voltem a ficar em pé e até mesmo se locomover mantendo a postura ereta. Com a divulgação recente, o Tek RMD (Robotic Mobilization Device) funciona como um apoio cervical totalmente mecânico, que se adapta a várias formas, além de se movimentar.


Por ser um modelo experimental, o aparelho ainda está em fase de testes, e não tem preço ou prazo para chegar ao mercado.

Veja o vídeocase desenvolvido para apresentação do aparelho:

BLOG DO PROFESSOR SERGIO CASTRO

BLOG DO PROFESSOR SERGIO CASTRO

Educação Física: Plano de Aula: Pesquisa sobre brincadeiras de pega...

Educação Física: Plano de Aula: Pesquisa sobre brincadeiras de pega...: Objetivo   - Ampliar o repertório de brincadeiras tradicionais de pegar. Material necessário   - Livros sobre as brincadeiras de pegar, ...

Brasil terá uma das maiores equipes nas Paraolimpíadas de Londres 2012 com 158 atletas

Brasil terá uma das maiores equipes nas Paraolimpíadas de Londres 2012 com 158 atletas

GEPEF: Oficina de Produção de Textos: A AVENTURA DE LER E...

GEPEF: Oficina de Produção de Textos: A AVENTURA DE LER E...: A Educação Física e a Educação Física Adaptada e a formação docente Verônica Jocasta Casarotto             A Educação Física procura auxil...

Camargo Corrêa recebe atleta Hexacampeão - Rondoniaovivo.com

Camargo Corrêa recebe atleta Hexacampeão - Rondoniaovivo.com

JOVEM ANÃO NÃO VAI A ESCOLA POR FALTA DE 600 EUROS PARA COMPRAR UMA BOTA ESPECIAL

Guimarães Digital
Jovem não vai à Escola por falta de 600 euros para comprar botas

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Macaé Sports fecha parceria com a ANDEF

Macaé Sports fecha parceria com a ANDEF
ANDEF (Foto: Divulgação)

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Autistas chegam ao mercado de trabalho

Autistas chegam ao mercado de trabalho



Como o maior conhecimento sobre o transtorno, terapias adequadas e diagnóstico precoce têm permitido às pessoas com autismo trabalhar

Rachel Costa







CONQUISTA

Fernanda Raquel desenvolveu a habilidade de desenhar para se comunicar.

Hoje trabalha como ilustradora



Um cenário impensável no passado. Na empresa dinamarquesa de testagem de softwares Specialisterne, 80 dos 100 funcionários têm autismo. Uma das pioneiras na contratação de mão de obra autista, ela é um exemplo do grande avanço ocorrido nos últimos anos no universo das pessoas que convivem com esse transtorno. Com a melhor compreensão sobre a síndrome, os autistas têm deixado a clausura do espaço privado e ganhado o espaço público. “O autismo é um conjunto muito heterogêneo de condições que têm como ponto de contato os prejuízos nas áreas da comunicação, comportamento e interação social”, explica o neurologista Salomão Schwartzman. Se durante muito tempo se falou apenas dessas dificuldades, atualmente começam a ser discutidas as habilidades associadas e como isso pode ser aproveitado em diferentes profissões. Tanto que já há uma primeira geração a chegar ao mercado de trabalho. “Eles têm boa memória, uma mente muito bem estruturada, paixão por detalhes, bom faro para encontrar erros e perseverança para realizar atividades repetitivas”, disse à ISTOÉ o fundador da Specialisterne, Thorkil Sonne.



Sonne resolveu investir no filão após o nascimento do filho autista Lars, hoje com 14 anos. A aposta deu tão certo que a empresa abriu unidades na Islândia, Escócia e Suíça e tem servido de inspiração para outras iniciativas. O empresário calcula entre 15 e 20 os projetos inspirados na matriz dinamarquesa em todo o mundo. Um deles é a Aspiritech, nos Estados Unidos, que, desde o ano passado, funciona com 11 engenheiros autistas trabalhando no teste de softwares. “Desde a década de 80, pesquisas mostram que essas pessoas têm uma capacidade muito maior de perceber pequenos detalhes visuais”, falou à ISTOÉ Marc Lazar, da Aspiritech. “Em testes para medir essa habilidade, eles cumprem o desafio em 60% do tempo gasto pelos demais e com grande acurácia.”



Para se chegar à observação dessas qualidades foi preciso superar um erro de interpretação. “Por muito tempo, o autismo foi encarado como uma deficiência intelectual”, diz Adriana Kuperstein, diretora da Re-fazendo, assessoria educacional especial de Porto Alegre. O que se percebeu posteriormente é que em apenas alguns casos há a associação com deficiências intelectuais. Muitos autistas têm o intelecto preservado, vários com inteligência superior à média, mas não conseguem interagir porque não sabem usar os canais normais de comunicação.





CONFIANÇA

O dinamarquês Thorkil Sonne tem uma empresa que explora as habilidades dos autistas



“É como um computador sem os softwares necessários para realizar determinada tarefa”, compara a psicóloga Alessandra Aronovich Vinic, que pesquisa autismo. Em seu consultório, ela aplica o método do treino das habilidades sociais. Seus pacientes aprendem, por exemplo, a reconhecer as feições relacionadas a sentimentos, como tristeza e alegria, ou a fixar o olhar no outro enquanto conversam. Pode parecer prosaico, mas faz toda a diferença para quem tem autismo. “As pessoas se comunicam visualmente o tempo todo”, fala Júlia Balducci de Oliveira, 23 anos. Para a jovem, não conseguir olhar nos olhos era uma fonte de angústia só superada com terapia. Formada em cinema, hoje Júlia trabalha na direção de um documentário sobre o autismo.



Atualmente se sabe que quadros mais discretos também se incluem no chamado espectro autista, com boas possibilidades de tratamento. “Mas há 30 anos somente pacientes muito graves eram diagnosticados”, explica Ricardo Halpern, da Sociedade Brasileira de Pediatria. “Eles eram internados, sedados e alijados do convívio social.” A delimitação desse grupo maior de pessoas aprimorou os métodos de tratamento. “As intervenções começaram a ser feitas mais precocemente, gerando maior inserção social”, disse à ISTOÉ o brasileiro Carlos Gadia, professor do departamento de neurologia da Universidade de Miami e diretor-médico da ONG Autismo&Realidade. Os principais beneficiados foram os pacientes de quadros mais leves.



Foi o caso da jovem Fernanda Raquel Nascimento, 18 anos. A terapia ajudou a jovem a vencer os obstáculos que encontrava para interagir. Também progressivamente ela transformou em profissão o que era uma de suas formas de comunicação, o desenho. Hoje ela comemora seus primeiros trabalhos de ilustração para a Livraria Saraiva, em São Paulo. “Com o dinheiro, quero cursar faculdade”, diz. A jovem ainda trabalha em casa, mas o objetivo é que passe a dar expediente no escritório. “Ela realiza um trabalho de alta qualidade e com um ótimo atendimento da demanda”, fala Jorge Saraiva, proprietário da rede de livrarias. Depois do contato com Fernanda, a empresa iniciou um plano para a contratação de pessoas com diferentes tipos de transtorno, entre eles, o autismo. Que se torne um cenário comum.

domingo, 27 de maio de 2012

Tudo o que você sempre quis saber sobre tratamento...

Rodando Pela Vida: Tudo o que você sempre quis saber sobre tratamento...: É fácil de encontrar algum conhecido que tenha esperança no potencial extraordinário dos tratamentos terapêuticos com células-tronco. O assu...

Empréstimo: Camas hospitalares e cadeiras de rodas...

Rodando Pela Vida: Empréstimo: Camas hospitalares e cadeiras de rodas...: Um ser humano muito especial, chamado Aroldo Mendonça, integrante do Rotary Clube, formou um banco de leitos hospitalares e cadeiras de roda...

Rodando Pela Vida: Becky (Amiga de Barbie) em Cadeira de RodasNum...

Rodando Pela Vida: Becky (Amiga de Barbie) em Cadeira de Rodas



Num...
: Becky (Amiga de Barbie) em Cadeira de Rodas Num artigo publicado na revista One in Ten, da Rehabilitation International, no ano de 1998,...

Sem um dos braços, Kevin Laue é exemplo de superaç...

Cadeirante Rio: Sem um dos braços, Kevin Laue é exemplo de superaç...: Kevin Laue tem 22 anos e 2,14 metros de altura. Com um dos braços amputado, é sinônimo de persistência no time de basquete da Universidade d...
Kevin Lauer no Superação (Foto: Reprodução/TV Globo)

Alunos do esporte adaptado participam de Campeonato Intermunicipal - Conjuntura on-line - O primeiro site político de MS

Alunos do esporte adaptado participam de Campeonato Intermunicipal - Conjuntura on-line - O primeiro site político de MS

Medalhistas paralímpicos vivem dia de ouro em Cabo Frio

Medalhistas paralímpicos vivem dia de ouro em Cabo Frio




Compartilhar por e-mail

Reportar um erro

A+

A

A-

Redação - 26.05.2012 às 10:16

divulgação / Semel



CABO FRIO, RJ (O REPÓRTER) - A cidade de Cabo Frio recebeu na última sexta-feira, dia 25 de maio, a visita de dois atletas paralímpicos de renome internacional, o nadador Clodoaldo Silva e o atleta de lançamento de disco Anderson Lopes. Os ilustres visitantes começaram o dia na cidade participando da II Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência, realizada na Universidade Veiga de Almeida.



Anderson, que é Subsecretário de Acessibilidade de Niterói, Rio de Janeiro, e Diretor da Andef (Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos) abriu sua participação falando sobre sua identificação com a cidade de Cabo Frio e fez uma citação ao Sr.Kléber Veríssimo, Diretor de Esportes da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer e também membro suplente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência, que representou o Sr. Eliseu Pombo, secretário de esportes de Cabo Frio, ressaltando a importância de Kleber para o esporte paralímpico quando este foi Diretor Técnico do Comitê Paraolímpico Brasileiro.



Anderson trouxe o tema da acessibilidade de uma forma leve, descontraída e que contagiou a todos os presentes ao evento, destacando a importância da participação da sociedade na luta em prol dos direitos da pessoa com deficiência: “No Brasil temos cerca de 30 milhões de pessoas com alguma deficiência. A maioria desse contingente está em casa, porque o poder público não vê, e não vê porque nós não reclamamos, nós não o provocamos, muitas vezes optamos por nos relegar ao muro das lamentações e pronto. A pessoa com deficiência não pode ser vista como incapaz, ela não é. Ela só precisa ter oportunidades para exercer seus direitos como qualquer cidadão e pra isso, discutir a questão da acessibilidade é muito importante”, destacou.



O nadador Clodoaldo Silva trouxe à conferência o seu exemplo de vida, contou suas experiências, dificuldades e desafios encontrados ao longo do caminho até se tornar o maior medalhista brasileiro na atualidade, ‘tanto em quantidade como em qualidade’, como gosta de ressaltar. Apresentou um vídeo onde familiares contavam um pouco de como foi sua infância, mostrou algumas de suas medalhas paralímpicas e de jogos pan-americanos e destacou a importância de se se conquistar, uma oportunidade na vida: “A oportunidade vem para todos nós e, quando isso não acontece, nós temos que ir atrás dela, criar as nossas. As pessoas com deficiência são pessoas capazes, que só precisam de uma oportunidade. Eu espero que depois de assistirem a esse vídeo, vocês olhem para estas pessoas e lembrem dele”, disse, antes de completar: “Eu tenho certeza que se viesse aqui e contasse a minha história de vida de uma forma triste, coitadinha, conseguiria passar a minha mensagem, mas eu prefiro falar sobre isso de uma forma mais bem humorada, mais alegre, porque eu sei que também vou alcançar o meu objetivo dessa maneira”.



Após abrilhantarem o evento, os atletas foram conhecer a APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Cabo Frio. A recepção dos assistidos pela entidade foi calorosa e emocionante. Anderson e Clodoaldo conheceram as instalações da APAE e deram sugestões quanto à acessibilidade do lugar. Clodoaldo, que vai encerrar a carreira após os jogos de Londres-2012 e se dedicar, entre outras coisas, a tocar o Instituto Clodoaldo Silva, mostrou bastante interesse em saber como é mantida atualmente a APAE e sobre as políticas voltadas para o atendimento aos cerca de 230 assistidos pela instituição.



Para encerrar a visita à cidade, Clodoaldo e Anderson foram conhecer o núcleo de natação do Projeto Novo Cidadão, realizado pela Prefeitura através da Secretaria de Esportes e Lazer. Clodoaldo foi recebido pelo Coordenador do projeto, Sérgio Ghetti, e pelo Secretário do Comitê Gestor Municipal Tony Vieira e falou às crianças e alunos em geral sobre sua carreira, sobre a importância de respeitar aos pais e professores do projeto e fez um divertido desafio aos alunos do núcleo: “Quem aqui quer levar uma medalha minha pra casa? Eu dou, mas pra isso tem que me ganhar na piscina”, brincou o atleta.



Ao final do dia, Anderson e Clodoaldo sintetizaram o que acharam da visita à cidade: “Foi maravilhoso, mostrou o trabalho que Cabo Frio tem com relação ao esporte, aos direitos da pessoa com deficiência e, o mais importante, que está suscetível a mudanças. Eu acho que esse é o grande barato da nossa vinda, tentar ajudar com as nossas ideias para que novas questões relativas aos direitos da pessoa com deficiência possam entrar no coração das pessoas e se tornarem políticas públicas, isso é o mais importante e eu acho que o dia foi coroado por isso”, afirmou. Sobre a forma descontraída e leve empregada para abordar um tema tão importante e delicado, Anderson explicou porque prefere tratar o assunto dessa forma: “É um tema difícil. Muitas das vezes em que uma pessoa vai parar num hospital e perde uma perna a vida dela é modificada, não pela perda da perna, e sim pela forma com que os entes queridos, a família, em vez de tentar colocar aquela pessoa pra cima, acabam chorando e isso acaba transformando a vida daquela pessoa. O nosso trabalho é mostrar que, mesmo a pessoa tendo uma deficiência, nós temos uma oportunidade de vida, para que possamos continuar vivendo dentro das nossas dificuldades. O grande barato é mostrar que mesmo com todas as dificuldades nós conseguimos superar esses limites para que possamos ser o reflexo para uma família ou para alguém que se tornou deficiente mostrando pra ela que a vida continua”, declarou.



Clodoaldo também considerou o dia proveitoso: “Eu só tenho a agradecer ao convite feito pelo Sr. Kleber Veríssimo. Nós atletas temos a missão de divulgar o segmento da pessoa com deficiência fora do esporte. Eu vim mostrar que a pessoa com deficiência não tem nada de incapaz. Para a minha grata surpresa, eu pude também conhecer o belo trabalho feito pela APAE voltado para as pessoas com deficiência intelectual. As pessoas de lá são mais do que especiais e quem cuida, quem tem um carinho por elas faz muita diferença. Encerrei o dia nesse projeto belíssimo, que eu tenho muita satisfação de ter conhecido e de poder conversar com as crianças, contando a minha história de vida, de um cara que passou todas as dificuldades do mundo e conseguiu ser bem sucedido dentro e fora da piscina. Eu tento passar esses valores para que essas crianças possam ser grandes atletas, mas se não conseguirem ser grandes campeões no esporte que possam ser grandes campeões na vida, tendo cidadania, tendo respeito e dignidade”, afirmou o campeão.





Tags: Cabo Frio, medalhistas, paraolimpíadas

Vergonha da cadeira de rodas

Blog do Cadeirante: Vergonha da cadeira de rodas: Minha jangadinha é bem feinha Não são raros os casos de cadeirantes que ficam meses sem sair de casa. Tem outros que só saem para ir ao...

Fórum Paranaense dos Direitos da Pessoa com Deficiência: O deficiente Intelectual - família - políticas púb...

Fórum Paranaense dos Direitos da Pessoa com Deficiência: O deficiente Intelectual - família - políticas púb...

Fórum Paranaense dos Direitos da Pessoa com Deficiência: Mercado de Trabalho e a PcD

Fórum Paranaense dos Direitos da Pessoa com Deficiência: Mercado de Trabalho e a PcD

Fórum Paranaense dos Direitos da Pessoa com Deficiência: O idoso e as diversas deficiências assim como a va...

Fórum Paranaense dos Direitos da Pessoa com Deficiência: O idoso e as diversas deficiências assim como a va...

Fórum Paranaense dos Direitos da Pessoa com Deficiência: A vida sexual e a PcD

Fórum Paranaense dos Direitos da Pessoa com Deficiência: A vida sexual e a PcD

Memórias de Cadeirante: Algumas acessibilidades interessantes...

Memórias de Cadeirante: Algumas acessibilidades interessantes...: Pesquisando uns videos no youtube sobre o Multi-Lift, descobri alguns vídeos tão interessantes, que mostram quão atrasado está o Brasil em t...

Adaptação para escova de dentes | Acessibilidade na Prática

Adaptação para escova de dentes | Acessibilidade na Prática

RAMPAS - SEM DEGRAUS: Qual o melhor material?

SEM DEGRAUS: Qual o melhor material?: Rampas móveis devem ser leves para transportar com facilidade e fortes para aguentar um bom peso em cima delas. Qual será, então, o melhor m...

SEM DEGRAUS: Rampa móvel

SEM DEGRAUS: Rampa móvel: Um pequeno obstáculo para alguns... A maior parte dos estabelecimentos comerciais que vejo pelas cidades tem apenas um degrau. Uma situaç...

SEM DEGRAUS: Rampa construída em prédio residencial

SEM DEGRAUS: Rampa construída em prédio residencial: Agora posso entrar pela porta da frente  Em acessibilidade, é fácil perceber uma característica: a maior parte das vezes em que lugares ...

Programa Especial em campeonato de vôlei de surdos

Programa Especial visita Centro de Reabilitação da Polícia Militar

A cadeira voadora: Aruba para cadeirantes

A cadeira voadora: Aruba para cadeirantes: Aruba e eu... Saudades! (Baby Beach, foto de Ulysses Martins) Em setembro de 2011, lia o sensacional blog do Jairo Marques , jornalist...

Blog do Cadeirante: Rio Othon Palace

Blog do Cadeirante: Rio Othon Palace: Entrada do Rio Othon Palace No último fim de semana tive duas árduas tarefas: ir um casamento no sábado e um aniversário no domingo no ...

Inclusão também é MODA!: “Maria de rodas” é uma obra literária magnífica,...

Inclusão também é MODA!:

“Maria de rodas” é uma obra literária magnífica,...
: “Maria de rodas” é uma obra literária magnífica, utilizada como referencial teórico de qualidade pela estilista Candida Cirino, para o des...

sábado, 26 de maio de 2012

Cadeirante Rio: Kart adaptado

Cadeirante Rio: Kart adaptado: Este post é para falarmos de esporte, sempre buscando um para praticar, me deparei com o Kart adaptado na granja viana, São Paulo, excelente...

Cadeirante Rio: Tiro em cadeira de rodas

Cadeirante Rio: Tiro em cadeira de rodas: Preparar, apontar, fogo! - Nossa, será que alguém atirou em um cadeirante? - Não, caro leitor, na verdade o tiro partiu de um ca...

É preciso encontrar o que você ama. Steve Jobs

Cadeirante Rio: É preciso encontrar o que você ama. Steve Jobs
Es...
: É preciso encontrar o que você ama. Steve Jobs   Estou honrado por estar aqui com vocês em sua formatura por uma das melhores un..

Tiro em cadeira de rodas

Cadeirante Rio: Tiro em cadeira de rodas: Preparar, apontar, fogo! - Nossa, será que alguém atirou em um cadeirante? - Não, caro leitor, na verdade o tiro partiu de um ca...

Apenas 4,7% das ruas do país têm rampa para cadeirantes...

Cadeirante Rio: Apenas 4,7% das ruas do país têm rampa para cadeir...: Apenas 4,7% das ruas do país têm rampa de acesso para cadeirantes, segundo a pesquisa inédita divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE (Inst...

Macaé Sports fecha parceria com a ANDEF

Macaé Sports fecha parceria com a ANDEF

Acontece hoje I etapa do IV Campeonato das Pestalozzis - AQUIDAUANA NEWS - Agência de Notícias da cidade Portal do Pantanal

Acontece hoje I etapa do IV Campeonato das Pestalozzis - AQUIDAUANA NEWS - Agência de Notícias da cidade Portal do Pantanal

I TORNEIO NACIONAL DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS PORTUGAL ...

NOTÍCIAS RECENTES ANDDEMOT: I TORNEIO NACIONAL DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RO...:    26 e 27 de Maio de 2012 Decorre nos dias 26 e 27 de Maio de 2012, o I Torneio Nacional de Basquetebol em Cadeira de Rodas , or...

Fernanda Honorato confere apresentação do grupo Batuque de Surdo na Bahia

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Fabiana Murer - GP BRASIL CAIXA DE ATLETISMO 23.05.2010

ESPN - Respiron.mp4

Brasileiras do revezamento 4x100 dançam "Tchu Tcha Tcha" após a vitória ...

Jadel Gregorio Salto TriploGRANDE PRÊMIO INTERNACIONAL SÃO PAULOCAIXA DE...

Brasil conquista a medalha de ouro no revezamento 4x100 feminino do GP d...

GP Brasil Caixa 2012 de Atletismo PROVA DE REVEZAMENTO

segunda-feira, 21 de maio de 2012

IDP lança “Manual dos direitos da pessoa com deficiência” | Deficiente Ciente

IDP lança “Manual dos direitos da pessoa com deficiência” | Deficiente Ciente


Manual dos direitos da pessoa com deficiênciaO IDP (Instituto Brasiliense de Direito Público) lançou no dia 22 de maio, na sede do instituto (607 sul, Via L2, Brasília – DF), às 19h, o “Manual dos Direitos da Pessoa com Deficiência”. O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes assinou o prefácio da publicação que tem a proposta de ser um guia de referência para a pessoa com deficiência. As 477 páginas da obra foram escritas por 30 autores de todo o país e aborda temas como direito à liberdade, saúde, educação, intimidade, vida privada e integridade física e mental.
As 477 páginas do livro foram escritas por 30 autores de todo o país, entre pós-doutores, doutores, mestres, professores, advogados, procuradores e juízes. Segundo os coordenadores, a obra, que é inédita no Brasil, é a mais ampla e abrangente sobre o tema e faz analise jurídica com perspectivas do direito do trabalho, previdenciário, consumidor, penal, dentre outros de utilidade do deficiente. Direito à liberdade, saúde, educação, intimidade, vida privada e integridade física e mental também são abordados pelos autores.

Tetraplégico, ex-goleiro do São Paulo alcança, na vela, o sonho olímpico


Tetraplégico, ex-goleiro do São Paulo alcança, na vela, o sonho olímpico




Publicidade

DE SÃO PAULO



Seis anos depois de sofrer um acidente de carro que o deixou tetraplégico, Bruno, 26, ex-goleiro do São Paulo, estará na Paraolimpíada, em Londres, daqui a três meses, para alcançar o sonho de poder disputar os Jogos.



A informação está na matéria assinada por Lucas Reis, publicada neste domingo. A íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha.



Bruno tinha acabado de completar 20 anos quando sofreu o acidente na rodovia Régis Bittencourt, em 2006. Na época, ele era o terceiro goleiro do São Paulo. O atleta passou oito meses internado, três deles sem falar e mais outros três sem comer.



Começou então a fazer fisioterapia ainda no hospital, três vezes por dia. E foi assim, um dia de cada vez. Primeiro mexeu um dedo, depois uma mão, o pescoço já não doía tanto, até que conseguiu mexer os braços para frente e para trás. O suficiente para sentar em um barco adaptado e velejar. Hoje ele treina vela de quinta a domingo, de três a cinco horas por dia.



Marisa Cauduro/Folhapress



Bruno, com a parceira Elaine (ao fundo), em treino na represa de Guarapiranga

quarta-feira, 16 de maio de 2012

CURSO VOLEIBOL SENTADO

Comitê Paralímpico Brasileiro

CREATIVE IDEIAS: Muito Especial insere primeira pessoa com autismo ...

CREATIVE IDEIAS: Muito Especial insere primeira pessoa com autismo ...: A primeira pessoa com autismo acaba de ser inserida no mercado de trabalho na Paraíba. Através do projeto Inclusão Digital e Produtiva de Pe...

Instituto Educacional Sete Anões - Ação Independente - Portal Voluntários Bradesco

Instituto Educacional Sete Anões - Ação Independente - Portal Voluntários Bradesco
Instituto Educacional Sete Anões

JOINVILLE - Cidade Acessível é Direitos Humanos: JOINVILLE: Esporte - Seleção Brasileira de Basquet...

JOINVILLE - Cidade Acessível é Direitos Humanos: JOINVILLE: Esporte - Seleção Brasileira de Basquet...: A Seleção Brasileira masculina de Basquete em Cadeira de Rodas se despediu de Joinville nesta segunda-feira (14/05). O grupo da técnica Fá...

Acessibilidade - Esportes Adaptados: Altismo - Mundo Azul

Acessibilidade - Esportes Adaptados: Altismo - Mundo Azul: Autismo é uma desordem neurobiológica que compromete o desenvolvimento típico do indivíduo, afetando cada criança de forma única. Os sint...

Paralimpíadas: Superando Limites: Paraolimpíadas e Alcance Social

Paraolimpíadas: Superando Limites: Paraolimpíadas e Alcance Social: Paraolimpíadas e Alcance Social Não podemos pensar em criar grandes inovações tecnológicas se estas não atingirem um alvo mais abrangente,...

domingo, 13 de maio de 2012

Educativos para corrida

Novas propostas de trabalho para 2012

CIPE - Centro Integrado de Psicologia e Educação: Novas propostas de trabalho para 2012: Decidi,  no ano de 2012, reunir os sete anos de experiência no trabalho com o Atendimento Educacional Especializado e oferecer, a princípio,...

Novas propostas de trabalho para 2012

CIPE - Centro Integrado de Psicologia e Educação: Novas propostas de trabalho para 2012: Decidi,  no ano de 2012, reunir os sete anos de experiência no trabalho com o Atendimento Educacional Especializado e oferecer, a princípio,...

Men's Discus Throw (2011 IAAF WCH: Final, 30.08.2011)

Javelin Men Final (World Championship 2011, Daegu)

Triple Jump Men World Record Doha 2010 - Teddy Tamgho

Long Jump Final - 2011

100 METRES WOMEN'S FINAL DAEGU 2011

Final 110 metros vallas Mundial 2011 -Robles DQ-

400 Metres Hurdles men Final IAAF World Championships Daegu 2011

Campeonato mundial junior de Atletismo. Santiago de Chile 2000

http://www.vistolivre.xpg.com.br/entretenimento/televisao/2012/05/fernando-fernandes-enfrenta-desafios-radicais-no-esporte-espetacular.html

http://www.vistolivre.xpg.com.br/entretenimento/televisao/2012/05/fernando-fernandes-enfrenta-desafios-radicais-no-esporte-espetacular.html
duas propostas de trabalho direcionadas a estudantes e profissionais das áreas de psicologia e  pedagogia.
Uma delas é bastante direcionada aos professores de Educação Infantil que atendem crianças com Necessidades Educativas Especiais e a outra é uma proposta mais geral que visa avançar no estudo prático e teórico sobre Educação Especial no Brasil. Abaixo apresento as duas propostas para que possam ter idéia de como o trabalho será desenvolvido. 
Entre em contato para inscrever-se ou para montar um grupo de sua escola!

Brincadeira para todos – Jogos e Brincadeiras para a Educação Especial

Transtornos de Aprendizagem e Fracasso Escolar: um...

CIPE - Centro Integrado de Psicologia e Educação: Transtornos de Aprendizagem e Fracasso Escolar: um...: Por Luciana Stoppa dos Santos * Texto elaborado para o Boletim "Aprendendo a Ensinar", do Projeto Plural. Ao iniciar uma reflexão para o...

Assessoria em Psicologia Escolar para Inclusão

CIPE - Centro Integrado de Psicologia e Educação: Assessoria em Psicologia Escolar para Inclusão: Olá! Você já deve ter lido por aqui alguma postagem minha sobre o trabalho do Psicólogo Escolar ? Pois bem, vou explicar novamente caso ain...

CIPE - Centro Integrado de Psicologia e Educação: Projeto "Sobre Deficiência e Eficiência"

CIPE - Centro Integrado de Psicologia e Educação: Projeto "Sobre Deficiência e Eficiência": U m dos focos do trabalho do CIPE é atuar junto às famílias de crianças e adolescentes com dificuldades de aprendizagem e com deficiência fí...

CIPE - Centro Integrado de Psicologia e Educação: O direito de ser inteiro, e não pela metade!

CIPE - Centro Integrado de Psicologia e Educação: O direito de ser inteiro, e não pela metade!:   A inclusão é um mudança de paradigmas pautada na igualdade de direitos. Não se tratam apenas de mudanças pedagógicas para receber criança...

CIPE - Centro Integrado de Psicologia e Educação: Reflexões "fresquinhas" sobre Educação Especial e ...

CIPE - Centro Integrado de Psicologia e Educação: Reflexões "fresquinhas" sobre Educação Especial e ...: Caros seguidores e amigos leitores, Faz algum tempo que não posto algo por aqui. Sintomas da vida de pós graduanda e profissional! Dian...

sábado, 12 de maio de 2012

Blog da Audiodescrição: Super novidade do SBT

Blog da Audiodescrição: Super novidade do SBT: Noite de sábado, estávamos eu, minha esposa e meus filhos saboreando uma pizza e um vinho. Toca o telefone, o BINA mostra o nome de minha ...
Pizza e vinho

Blog da Audiodescrição: Uma cidade saudável é uma cidade inclusiva

Blog da Audiodescrição: Uma cidade saudável é uma cidade inclusiva: Em abril deste ano, publicamos uma série de notícias a respeito da realização da 36ª edição do Festival CineSesc Melhores Filmes de 2009. Ve...

Assista a reportagem ativando o vídeo no plug-in abaixo, ou clique neste link acessível para usuários de leitores de telas:

Blog da Audiodescrição: Assista uma audiodescrição da cidade do Rio de Jan...

Blog da Audiodescrição: Assista uma audiodescrição da cidade do Rio de Jan...: José Luiz, cadeirante apresentador do Programa Especial da TV Brasil, levou Virgínia Menezes, cega e audiodescritora do mesmo programa, para...

Veja como foi o passeio ativando o vídeo no plug-in abaixo, ou use este link acessível para quem usa leitor de telas:
Outras informações sobre audiodescrição:

Claire Lomas marathon

BLOG FUTURO ESTÁ AQUI: Mãe de Xuxa, vai para Argentina fazer cirurgia no ...

BLOG FUTURO ESTÁ AQUI: Mãe de Xuxa, vai para Argentina fazer cirurgia no ...: Da Tribuna Hoje Como muitos já sabem, Dona Alda Meneghel tem 'Mal de Parkinson', uma doença degenerativa que se agrava com o decorre...

BLOG FUTURO ESTÁ AQUI: Jô Soares entrevista Flávia Cintra 10/05/2012

BLOG FUTURO ESTÁ AQUI: Jô Soares entrevista Flávia Cintra 10/05/2012: Publicado em  10/05/2012  por  evaldopalestra https://twitter.com/programa_dojo Acesse a maior comunidade do Programa do Jô no Orku...

Jô Soares entrevista Flávia Cintra 10/05/2012


Cineclube da ACRE Vai exibir “Um Outro Olhar” e debater o nanismo

Cineclube da ACRE Vai exibir “Um Outro Olhar” e debater o nanismo



Cineclube da ACRE Vai exibir “Um Outro Olhar” e debater o nanismo

Posted by Paulo Roscio - maio 11th, 2012
No próximo dia 15 o Cineclube da Associação Cultural do Recreio vai exibir um filme inédito: “Um Outro Olhar”, de Bruna Lavoura. O filme documenta por meio de entrevistas a vida de anões e de pais que tiveram filhos com nanismo, fazendo uma análise sobre as questões que envolvem os portadores desta mutação genética.
São discutidos temas como preconceito, discriminação, estigmas sociais, além das dificuldades e superações de pessoas que, mesmo fora dos padrões estéticos estabelecidos pela sociedade contemporânea, demonstraram que é possível ser feliz e viver em harmonia com as diferenças. Outros estudiosos como especialista, psicólogo e pesquisadora também fazem parte do documentário e o complementam com informações de extrema relevância.

4º Mutirão de inclusão a pessoa com deficiência no...

O BLOG DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: 4º Mutirão de inclusão a pessoa com deficiência no...: Este evento que aconteceu dia 10 de Maio de 2012 em Osasco foi muito bom e teve a participação de várias pessoas do seguimento das pessoas c...

Primeiro laboratório de robótica do país é inaugur...

O BLOG DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: Primeiro laboratório de robótica do país é inaugur...: Nova instalação traz equipamentos de alta tecnologia voltados à reabilitação Dra. Linamara observa governador Geraldo Alckmin, ao...

UNESCO lança pesquisa inédita sobre exclusão nas escolas

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Fernando Fernandes: "Tenho na minha cabeça que vou andar um dia" | Deficiente Ciente

Fernando Fernandes: "Tenho na minha cabeça que vou andar um dia" | Deficiente Ciente

SELEÇÃO PARAOLIMPÍCA DE VOLEIBOL SENTADO

Seleção Brasileira Paraolimpica de Futebol - Técnico fala sobre a equipe...

Boletim Nº2 - ANDE NA REDE - Treino da Seleção Brasileira de Futebol de 7

Boletim Nº4 - ANDE NA REDE - Campeonato Regional Sul de Bocha 2012

Educação e Acessibilidade é tema de curso em São Paulo | Revista Hotéis

Educação e Acessibilidade é tema de curso em São Paulo | Revista Hotéis

Niterói Acessível reúne 500 pessoas na Praça de Santa Bárbara | Jornal O Fluminense

Niterói Acessível reúne 500 pessoas na Praça de Santa Bárbara | Jornal O Fluminense
Diversas pessoas se divertiram e tiraram documentos  Foto: Marcello Almo



Impressionante anúncio das Paraolimpíadas (com vídeo)

Impressionante anúncio das Paraolimpíadas (com vídeo)

Bionic Soldiers

Digilegs Demo

Aimee Mullins on Today Show

Canadian Paralympic Committee: Running (Unstoppable)

Mais de 100 destaques são apresentados ao PNE « Portal Inteligemcia – Hoje, a praça do marketing no Brasil; amanhã, no mundo.

Mais de 100 destaques são apresentados ao PNE « Portal Inteligemcia – Hoje, a praça do marketing no Brasil; amanhã, no mundo.

Campeonato Regional Sul de Bocha 2012

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Especial: Gigantismo. Discovery - 5 / 5

NatGeo - Anatomia Rara - Nanismo [Parte 04-05]

NatGeo - Anatomia Rara - Para Sempre Pequenos [Parte 02-04]

NatGeo - Anatomia Rara - Para Sempre Pequenos [Parte 01-04]

NatGeo - Anatomia Rara - Nanismo [Parte 03-05]

NatGeo - Anatomia Rara - Nanismo [Parte 02-05]

NatGeo - Anatomia Rara - Nanismo [Parte 05-05]

NatGeo - Anatomia Rara - Nanismo [Parte 04-05]

NatGeo - Anatomia Rara - Nanismo [Parte 01-05]

Acondroplasia

NatGeo - Anatomia Rara - Nanismo [Parte 03-05]

Resultados da pesquisa para Nanismo no site YOU TUBE

PARA VOCÊ INTERESSADO NAS ATIVIDADES DAS PESSOAS COM  N A N I S M O , SEGUE ABAIXO SITE DO YOU TUBE  CONTENDO INFORMAÇÕES.

http://www.youtube.com/results?search_query=Nanismo+
Miniatura

Câmera Especial 23 - Nanismo - bloco 4



O Nanismo é uma condição física em que o portador tem a média de altura menor do que o restante da população. Mas os problemas vão além da dimensão da altura.
Você vai acompanhar no Câmera Especial esta reportagem que mostra

Curso Online de Organizando a Atividade Física Adaptada!

Curso Online de Organizando a Atividade Física Adaptada!

Organizando a Atividade Física Adaptada

Aprovada aposentadoria especial para pessoas com deficiência | Inclusão Diferente

Aprovada aposentadoria especial para pessoas com deficiência | Inclusão Diferente

Dificuldade nos Relacionamentos. | Inclusão Diferente

Dificuldade nos Relacionamentos. | Inclusão Diferente

A baixa autoestima é um problema sério. | Inclusão Diferente

A baixa autoestima é um problema sério. | Inclusão Diferente

295644 Baixa autoestima 2 Entenda como a baixa auto estima pode atrapalhar a vida

Benefícios do Sexo para Deficiêntes. | Inclusão Diferente

Benefícios do Sexo para Deficiêntes. | Inclusão Diferente

O poder da mídia e sua influência negativa na vida das pessoas com deficiência. | Inclusão Diferente

O poder da mídia e sua influência negativa na vida das pessoas com deficiência. | Inclusão Diferente

O Sexo e a Pessoa com Deficiência. | Inclusão Diferente

O Sexo e a Pessoa com Deficiência. | Inclusão Diferente

Mãe Especial: Conhecimento demais e sabedoria de menos

Mãe Especial: Conhecimento demais e sabedoria de menos: Foram muitos os médicos que conheci ao longo dos últimos 11 anos, de diversas especialidades. Fico feliz por poder dizer que encontrei  mui...

Mãe Especial: O que cada um vê

Mãe Especial: O que cada um vê: Raras são as vezes em que precisamos ir a algum lugar fazendo uso do transporte público em que não precisamos esperar por algo ou alguém par...

Mãe Especial: Inclusão: Falta experiência ou vontade?

Mãe Especial: Inclusão: Falta experiência ou vontade?: Um dos problemas que ainda contribui para exclusão na inclusão de crianças com deficiências nas escolas regulares é o fato de algumas pesso...

Mãe Especial: Estímulos cerebrais x novas sinapses = pai e mãe d...

Mãe Especial: Estímulos cerebrais x novas sinapses = pai e mãe d...:                                      Plasticidade cerebral é a palavra que explica o avanço do Lucas, o qual tenho acompanhado maravilh...

Trade Mix | Esteira Trade Mix Acessibilidade

Trade Mix | Esteira Trade Mix Acessibilidade





Compartilhe Share on twitter Share on linkedin Share on facebook Share on email | More Sharing ServicesMais
|

Conheça o esporte Power Soccer

É um esporte acessível, democrático e de competição que permite a participação de pessoas deficientes jovens, adultos e até idosos, ambos os sexos e com inúmeros tipos de limitações físicas.

O esporte é jogado em equipes com os participantes utilizando cadeiras de rodas elétricas, e com regras similares ao do futebol:

Local: uma quadra coberta com piso de marcação específica
Equipamentos: as cadeiras de rodas necessitam de uma proteção especial para os pés e que é utilizada para controle e chute na bola
A bola: embora especial em tamanho e peso, tem a estrutura similar a do futebol
Tempos: um jogo oficial é disputado em 2 tempos de 20 minutos
Equipes: Duas equipes de quatro jogadores - três jogadores de campo e um goleiro
Objetivo do jogo: como no futebol, marcar mais gols que o adversário
Para conhecer mais sobre o jogo; história do jogo; competições; regras; equipamentos; técnicas; fotos; vídeos; agendas, campeonatos; como participar e etc., acesse os links abaixo.

FIPFA - Federation Internationale de Powerchair Football Association – www.fipfa.org
ABFC – Associação Brasileira de Futebol em Cadeiras de Rodas – www.abfc.org.br






A Trade Mix é fornecedor dos equipamentos básicos para a prática do esporte e treinamentos.








Para compra dos produtos e kits entre em contato conosco.
Fazemos desenvolvimento de novos produtos e equipamentos. Consulte-nos. Fabricação sob demanda.

TRANSIÇÃO DA ESCOLA PARA A VIDA ADULTA DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA


TRANSIÇÃO DA ESCOLA PARA A VIDA ADULTA DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Prof. Dr. Richard Luecking (TransCen - EUA)

Local: UERJ, RAV 122, 12 andar

Dia 15/05/12 Horário: 9:30h às 12h

Dia 17/05/12 Horário: 18:30h às 21h


AS DEZ PESSOAS MAIS OBESAS DO MUNDO


http://hypescience.com/mais-obesas-do-mundo-mais-gordas/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29



COMITÊ PARALÍMPICO INTERNACIONAL - I P C

International Paralympic Committee logo
http://www.paralympic.org/